GASTRONOMIA E BEBIDAS

                

Os gregos apreciam comer bem e desenvolveram, através dos tempos, uma culinária característica encontrada em restaurantes de todo o mundo. Basta observar a quantidade de restaurantes gregos, sempre lotados, no Quartier Latin em Paris, a capital mundial da gastronomia.

A cozinha grega tem quatro segredos: os ingredientes frescos, o uso correto das especiarias e ervas, o famoso azeite de oliva e a simplicidade.

Graças ao seu clima e à sua posição geográfica, junto ao Mediterrâneo, a Grécia tem o privilégio de produzir ingredientes muito saborosos. A maioria dos vegetais são cultivados de forma natural e preservam, assim, mais aroma e sabor. Todo prato da culinária grega usa ervas e especiarias, colhidos nas montanhas e no campo e são famosas por seu forte aroma, que se sente mesmo à distância, e paladar. Ao deliciar-se com um dos variados pratos gregos o cheiro de orégano, hortelã, canela, alecrim, nos envolve e deixa a comida muito mais saborosa.

As frutas e verduras amadurecem em todo seu esplendor, sem umidade, com toda a intensidade dos aromas, cores e nuances ao paladar ! Os tomates e as cebolas são extremamente doces, os pepinos muito crocantes, as frutas então...são um capítulo à parte, sendo a Grécia a maior exportadora para a Europa de pêssegos, damascos, melões, cerejas e melancias.

Para os gregos, comer é um ritual inclui horas ao redor de uma mesa, em alguma taverna, comendo, bebendo e conversando, tanto no almoço, depois do qual fazem a siesta, como no jantar.

Igual a todos os outros países europeus, existem na Grécia muitas cafeterias, e o café é uma mania grega tão notada como a brasileira. Pode ser tomado forte, feito à maneira árabe com muito pó sedimentado no fundo da xícara  ou, no calor intenso do verão, gelado, como um frappé , batido puro, com leite, com o licor Baileys ou com sorvete de creme. Vem sempre acompanhado de um copo de água. Com o café na mesa os gregos ficam horas conversando ou jogando gamão.

Frappé

Bebida alcoólica, sem comer : nunca!!!  Qualquer bebida tem que vir acompanhada de algum petisco. Aliás, os gregos são especialistas em mezédes, pequenas porções de muitas coisas deliciosas, degustadas no almoço ou no final da tarde. Podem ser patês para comer com pão: de berinjela (melitzanosalata), coalhada com pepino e alho (tzatziki), ou de ovas de peixe (taramosalata); tomates, abobrinhas, pimentões ou berinjelas recheados (gemisto) com carne e molho; bolinhos de polvo ou de carne (keftedes); queijo grelhado à milanesa (saganaki);  frutos do mar (lulas, camarões, polvo, mariscos) e pequenos peixes fritos; charutinhos de folhas de uva (dolmadakia) quentes ou frios, servidos ou não, com um saboroso molho de ovos com limão (avgolémono) e, claro, a salada grega chamada de xoriátika (tomates, pepinos, finas fatias de cebola, azeitonas, pimentão verde e uma fatia de um forte queijo de cabra e ovelha, o feta, temperada com orégano).

                                                         

Salada xoriatika, patês, dolmadakias, camarões, keftedes, spanakopita e polvo                                 Taramosalata

Os mezédes, tão tradicionais na Grécia são, em geral, servidos com a bebida típica grega, o ouzo (pronuncia-se uzo), uma bebida transparente produzida a partir da fermentação da casca de uva, aromatizado com anis e bastante forte (teor alcoólico por volta de 44%). Pode ser bebido puro ou com gelo e água (que quando misturada faz com que a bebida mude para uma cor leitosa), ficando muito refrescante. Por isso, os locais onde se comem os melhores mezédes são chamados de ouzerias. Apesar disso, muitos gregos preferem o tsípouro ou o rakí , também destilados de uva porém, mais puros e com menos sabor de anis. Mas ninguém vai se importar se você preferir uma cerveja bem geladinha. 

Athinaikon, ouzeria típica em Atenas

Os ouriços do mar, dizem os gregos, são afrodisíacos. Difíceis de serem encontrados em Atenas, são servidos nas ilhas no horário do pôr-do-sol, temperados com azeite e limão, junto com outros mezédes e ouzo. Nada mais delicioso do que apreciar o imenso sol se pondo a sua frente, com paisagem de casinhas brancas e muitas flores, com esse aperitivo. Na verdade, a impressão que se tem é de que tudo, e não somente os ouriços, são afrodisíacos.

Ouzo, refrescante na praia, ótimo para acompanhar mezédes e perfeito para ver o pôr-do-sol no final da tarde

Nas ilhas, aproveite !!!  Não há nada melhor que se deliciar com peixes e frutos do mar recém-pescados, fritos ou grelhados, em uma taverna na praia ou em frente ao porto, com o Egeu brilhando ao sol em sua frente. Nas tavernas das praias faça um aperitivo com octapodi (polvo) ao molho vinagrete e kalamarakia (lulas fritas). No almoço experimente a Barbúnia (trilha) e o Lavráki (robalo) ou , se preferir, os excelentes garides (camarões) e astakós (lagostas). Os camarões da ilha de Limnos e as lagostas da ilha de Fourni são os melhores que já provei na vida! Nas cidades, escolha o polvo ou o peixe que vai para a grelha fresquinho naquela hora.

Ouzeria em Naxos, escolhe-se o peixe ou o polvo que vai para a grelha

De hábitos tradicionais, os gregos acham natural comerem, cada um com seu garfo, de um mesmo prato com bolinhos ou salada, por exemplo. Nas refeições principais, isso já não acontece. Tudo é temperado com muito azeite, considerado o melhor e mais saudável do mundo. 

Caso sente-se em algum bar para um aperitivo ou uma cerveja sempre o mesmo virá acompanhado de algum salgadinho. Não deixe de provar o pistache grego, especialmente os plantados na ilha de Égina, considerado o mais saboroso do mundo.

Árvore de pistache em Égina

Desde os tempos mais remotos as oliveiras são cultivadas na Grécia. Para os antigos gregos essas árvores representavam paz e tranqüilidade, sendo tão valorizada que aos vencedores dos antigos Jogos Olímpicos era dada uma coroa feita de ramos de oliveira brava. Escavações arqueológicas mostram que o azeite era intensamente utilizado ( e ainda o é ) não apenas na gastronomia mas também, na limpeza, na perfumaria, nos cuidados de beleza, na Medicina e na iluminação. Homero o denominava de ”líquido de ouro“ e Hípócrates, famoso médico da Antiguidade, utilizava-o nos tratamentos dos seus doentes. 

Nos dias de hoje, a oliveira é o mais importante produto agrícola da Grécia e de onde nasce a produção anual de 400.000 toneladas de azeite, sendo que 75% da produção de azeite é considerada de excelente qualidade. A Grécia é o país do mundo com maior consumo de azeite per capita, cerca de meio litro por semana, o dobro de países como Itália, Espanha e Portugal, outros grandes produtores.  

O azeite extra-virgem, obtido da primeira prensagem das azeitonas é muito rico em gorduras monoinsaturadas e por isso apontado como o principal responsável pela longevidade dos gregos. Pesquisas atuais demonstram que o azeite é benéfico para a saúde, sendo facilmente absorvido pelo organismo e seu consumo contínuo, previne  doenças do coração e do estômago, pois faz aumentar apenas o chamado colesterol bom.  Outros estudos associam o consumo do azeite grego e vinho em pequenas quantidades, como alimentação preventiva à doenças cardíacas. Tanto que a ilha de Creta é o local do mundo de menor incidência de doenças coronarianas, apesar de ser um dos povos que mais fumam.

O azeite grego, produto natural, com sabor autêntico, de aroma agradável e muitas propriedades  nutricionais é utilizado na culinária como tempero em saladas e é também o elemento ideal para a preparação de pratos com vegetais, como ervilhas, feijão e berinjelas. Além disso, é utilizado na preparação de doces, bolos e tortas sendo mais saudável do que margarina e manteiga.

 

Azeite Extra-Virgem

A culinária grega baseia-se em ingredientes frescos. Carne ou peixes são simplesmente grelhados servidos com ervas, especialmente o extremamente cheiroso orégano, ou molho de limão e sempre com muito azeite. Carneiro, frango e porco podem ser servidos grelhados em bistecas (brizola), cozidos em saborosos molhos, em espetinhos como um churrasco (souvláki). As costeletas de carneiro são deliciosas. À base de tomate com especiarias, não deixe de provar o stifado, cozido de carne ou polvo, com ervas, tomate, cebolinhas, azeite, vinagre e suave sabor de canela. 

Para um lanche rápido, experimente o giros pita que consiste em carne de carneiro ou pernil, temperadas e fatiadas a partir de um espeto giratório e que pode ser servido tanto no prato, com salada, cebola, tzaitziki e batatas fritas, ou com todos os ingredientes enrolado na pita, um pão do tipo sírio, porém mais fino, e que se come com a mão como um sanduiche. Garanto que você não se lembrará por nenhum segundo do Mac Donald´s.

Gyros Pita

Da culinária mais tradicional destacam-se as massas como o mussaká, que é uma espécie de lasanha com berinjela e o pasticcio, com macarrão, carne, canela e molho bechamel.

                                                     

Moussaka                                                                        Pasticcio

Prove todos os queijos que puder. Muitos são famosos em todo o mundo, como o Feta (feito de leite de cabra e ovelha). Na Grécia as ovelhas e as cabras alimentam-se de arbustos que contém ervas extremamente aromáticas e seus sabores são transmitidos para o leite destes animais, fazendo com que o queijo, feito a partir desse leite, detenha um sabor particular. Este queijo é denominado Feta ( por decisão da União Européia, apenas os queijos - desse tipo - produzidos na Grécia podem ter essa denominação ) é produzido há milhares de anos, aparecendo, inclusive, na Odisséia de Ulisses, no episódio em que ele adentra a caverna do Ciclope Polifemo. O queijo tem cor branca que não se deve a agentes branqueadores artificiais ( uma vez que o uso de conservantes não é permitido na sua produção ), baixos níveis de gordura e um gosto excepcional. O processo de maturação compreende duas fases: primeiro o queijo deve ficar quinze dias em recipientes de madeira sob condições de temperatura e umidade controladas e depois, por trinta dias, em refrigeradores com uma temperatura estável. O queijo Feta é um produto grego tradicional e faz parte da alimentação diária servido na salada Horiática, juntamente com tomate, pepino, cebola, azeitonas e orégano; em tortas de queijo feitas com massa folhada; recheando lulas ou filés de peixe, gratinado com camarões ou simplesmente temperado com orégano, servido como mezédes.

O Graviera é outro queijo grego conhecido mundialmente, especialmente os produzidos na ilha de Creta; outros de produção caseira e local, de determinados lugares, tem um paladar diferente e são muito saborosos. Os queijos de Metsovo são especiais, principalmente os defumados, que são servidos derretidos para comer com pão ou em crepes. Nas ilhas é comum se encontrar queijos deliciosos e típicos como o Kaseri e o Kefalotiri.

As sobremesas incluem saborosos doces feitos em geral no próprio restaurante, como as loukoumádes (bolinhos tipo sonhos, fritos, com mel e canela), bougátsa (doce de creme ou queijo com canela e açúcar), halvá, rizogalo (arroz doce), galaktobúriko (torta de leite), baklavás (mil folhas com amêndoas) e kadaífi (também de amêndoas e canela). As frutas obedecem as estações e se você estiver andando pelas ilhas em agosto e setembro, sentirá o tempo todo o cheiro dos figos, doces, maduros, que nascem por todos os lugares. Em agosto e setembro também são saborosas as melancias, abricós, pêssegos e os melões da ilha de Zakinthos. As uvas e cerejas são maravilhosas ... e é uma gentileza comum nos restaurantes oferecerem um prato com frutas variadas como sobremesa.

Halvá

No café da manhã, o iogurte grego, que é suave e encorpado, pode ser apreciado com frutas e coberto com o maravilhoso mel produzido na Grécia. Tanto o iogurte como o mel grego predominam em toda a Europa. Outras especialidades são as massas folhadas para tortas ou pitas, com diversos recheios: de vários tipos de queijos isolados ou misturados (tiropita), de espinafre (spanakopita), ou doces, como de creme, maçã (milopita) e chocolate com banana. Não deixe de provar os sucos de frutas naturais.

Iogurte com mel e frutas

 

RECEITA DE MUSSAKÁ

Música : Dithesio - Alkistis Protopsalti